O que faz um advogado criminalista?

O direito é uma das profissões essenciais para sociedade, pois atua na garantia de que a ordem e justiça sejam aplicadas. Quando um profissional de direito decide atuar no segmento criminal, ele desempenha papéis muito importantes. Saiba o que faz um advogado criminalista, aqui neste artigo.

O papel de um advogado criminal

O advogado criminal é um advogado especializado em Direito Penal, sendo este um dos ramos do direito que se concentram diferentes crimes existentes com as penas correspondentes de acordo com a lei.

Ele presta mais do que uma simples assessoria jurídica criminal, pois pode atuar em setores públicos, privados e correspondentes. Além disso, é responsável por fornecer serviços legítimos, com a principal função de representar uma pessoa que foi acusada de um ou mais crimes.

A pessoa acusada de uma ou mais acusações exigirá que um advogado realize sua defesa. Portanto, ele deve proteger os direitos do acusado e representá-lo antes de um processo criminal.

Atualmente, a especialização em uma disciplina específica do direito penal é essencial para garantir um serviço eficiente. Deve-se ter em mente que as várias especialidades jurídicas datam todos os dias de grandes demandas no que diz respeito ao estudo e, além do domínio, devido ao complexo progresso das regulamentações e jurisprudências que surgem diariamente.

Para ser um advogado criminal é necessário ter concluído o bacharel em direito, realizar as especializações de acordo com o segmento e ter sido aprovado na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

 Crimes que um advogado criminal atua

Abaixo estão diferentes casos com os quais um advogado criminal deve lidar, considerando que ele pode ser especializado em qualquer um deles:

  1. Crimes contra a pessoa e a vida: Por exemplo, assassinato, homicídio e aborto.
  2. Crimes contra o patrimônio: Roubo, furto, extorsão, uso de veículos automotores de terceiros sem a permissão do proprietário, usurpação, fraude, apropriação indébita e fraude de fluido elétrico.
  3. Crimes contra funcionários públicos: Entre esses crimes, podemos destacar peculato, suborno ou tráfico de influência.
  4. Crimes contra a segurança pública: Por exemplo, a provocação de incêndios.
  5. Crimes contra a liberdade: Coerção e ameaças se destacam. Também crimes contra a liberdade sexual, como assédio, agressão ou abuso sexual.
  6. Crimes contra a saúde pública:Tráfico de drogas.
  7. Crimes relacionados à ciência da computação.
  8. Crimes contra honra e privacidade: Calúnia, lesão ou arrombamento.
  9. Infrações de trânsito: Excesso de velocidade ou omissão de alívio.
  10. Crimes consumados em uma sociedade ou indústria: Por exemplo, concorrência desleal, fraudes ou violação dos direitos dos operadores.

Depois que a pessoa for cobrada em qualquer uma das acusações mencionadas acima, o próximo passo é o processo de acusação. Nesta parte, é o advogado que deve representar seu cliente no processo criminal, encarregado de defendê-lo das incriminações e crimes que foram atribuídos ao cliente.

Como consequência, pode haver uma fase na qual o julgamento é decidido, sendo parte do procedimento no qual o acusado é condenado à punição correspondente ao delito cometido.

Responsabilidades de um advogado criminal

Os advogados criminais são responsáveis ​​por proteger os direitos enquanto a ação da pessoa que foi acusada de certos crimes é executada, para que ele não seja acusado se não executou de fato e não é privado de privilégios constitucionais.

Além disso, trata-se da representação dos réus. Ou seja, defende a pessoa na ação ou consegue obter um acordo com o juiz no caso de a pessoa defendida aceitar que é culpada. O objetivo é obter uma sentença mais condescendente e o melhor acordo para o cliente.

Portanto, um advogado criminal será encarregado de ajudar desde a otimização de uma perspectiva nos conselhos preliminares, se você quiser apresentar um requisito ou reclamação, até a abordagem mais eficaz quando a pessoa estiver envolvida em um caso, processo criminal ou a qualquer momento antes do procedimento. Por exemplo, antes de uma intimação ou uma instrução da polícia ou de órgãos da justiça.