SLIDE

09 abril 2016

Por um feminismo de raça, classe e gênero

Sou feminista, branca, classe média, trabalhadora e cisgênera. Eu sou oprimida em alguns aspectos da minha vida. Sou mulher e como tal enfrento desafios diários, como: andar na rua tarde da noite, sofrer assédios em espaços públicos e ter um estado que legisla sobre meu corpo. 
Essas são algumas das muitas opressões diárias. Mas eu preciso entender os privilégios que me cercam. Embora o gênero me una a mulheres negras e transgêneras, nossas opressões se divergem em vários momentos.
Enquanto as feministas brancas da primeira onda estavam lutando pelo sufrágio, as negras estavam lutando para ser reconhecidas como gente. Enquanto as feministas brancas estavam lutando contra a opressão machista do marido, as negras estavam esfregando o chão da casa delas e as trans, apanhando em Stonewall (e vale lembrar que as trans foram varridas da memória de Stonewall, que passou a ser símbolo de luta de homens gays brancos cisgêneros). 
Enquanto a branca luta contra a violência obstétrica, a negra luta para não ser objetificada e a trans luta para não morrer na rua. São estágios muito diferentes de opressão e não dá pra nivelar tudo no mesmo patamar. 
Gênero nos une e as outras opressões nos separam em determinado momento.




O feminismo deve ser para todas, deve abraçar todas. Ou ele será para a negra, branca, periférica, cisgênera, transgênera, lésbica, heterossexual, mãe, trabalhadora, gorda ou magra, ou ele não será para ninguém. Por um feminismo que acolha todas as mulheres sem exceção.
Pequeno glossário sobre alguns termos que uso nesse texto:
Cisgênera: a pessoa cisgênera ou cis é aquela que se identifica com o gênero designado ao nascer, ou seja, uma pessoa de vagina, que, dita mulher ao nascer, se identifica com o gênero feminino.
Transgênera: a pessoa trans não se identifica com o gênero designado ao nascer, mas sim com outro gênero.
Primeira onda feminista: O feminismo é dividido em três ondas. A primeira onda foi basicamente a luta das mulheres pelos seu direito ao voto (sufrágio). Aqui no Brasil, Bertha Lutz e Nivia Floresta foram duas sufragistas importantes.
Stonewall: A rebelião de Stonewall foi uma série de violentas manifestações espontâneas de membros da comunidade LGBT contra uma invasão da polícia, que aconteceu nas primeiras horas da manhã de 28 de junho de 1969, em Nova York, Estados Unidos. Texto por, Fernanda Vicente.


COMENTE PELO BLOG!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Páginação - Não altere este gadget!





© de tudo um pouco - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - DESENVOLVIDO POR Horion Agência Digital