20 outubro 2014

O DIÁRIO DE ANNE FRANK: as palavras que o tempo não apaga.

"Aparentemente os homens dominaram as mulheres desde o início por causa da força física; são os homens que ganham a vida , geram crianças e fazem o que querem... Até recentemente as mulheres aceitavam isso em silêncio, o que era estúpido, já que quanto mais as coisas demoram a mudar, mais entranhadas ficam. Felizmente a educação, o trabalho e o progresso abriram os olhos das mulheres. Em muitos países elas adquiriram direitos iguais; muitas pessoas, principalmente mulheres, mas também homens, percebem agora como é errado tolerar esse estado de coisas durante tanto tempo. As mulheres modernas querem o direito de ser completamente independentes.

Mas não é só isso. As mulheres devem ser respeitadas também! Falando em termos gerais, os homens são mais valorizados em todas as partes do mundo; então por que as mulheres não devem ter a sua cota de respeito? Soldados e heróis de guerra são homenageados e condecorados, exploradores recebem fama imortal, mártires são reverenciados, mas quantas pessoas veem as mulheres também como soldados?"

(Anne Frank, 13 de junho de 1944)



     Escrever uma crítica literária com sua fiel caneta-tinteiro enquanto mira o céu e as estrelas, possivelmente, era um dos sonhos de Anne Frank: toques de humor ingênuo e uma sutil perspicácia percorreriam todo esse texto se fosse ele escrito por uma menina, cujo raro dom ainda encanta leitores ao redor do mundo inteiro. 

     Há quem afirme que existem forças superiores poderosas o suficiente para abalar o sonho e o engenho humanos. O ápice de uma das guerras mais terríveis dos últimos séculos, a privação absoluta de liberdade e a convivência diária com o medo, que teve de ser aceito como parte da rotina seriam, então, o suficiente para sufocar e aniquilar a criatividade de qualquer indivíduo. Do alto da jovialidade e efervescência dos seus treze anos, Anne abre-se para o mundo e o desvenda a partir de seus sentimentos e considerações. Encontramos, no início, uma adolescente consciente da forma como as relações iniciam e perpetuam-se na sociedade e capaz de criar regras internas e personalíssimas para enfrentar uma rotina, de algum modo monótona, e por vezes cercada por uma arbitrariedade sem sentido. No colégio, Anne recebe o apelido de "quac, quac, quac, a dona pata", e não só o aceita como cria desdobramentos impressionantes para uma menina de sua idade como reação legítima ao escárnio: afronta o professor com uma redação sobre patos, cisnes e um filhote que se perdeu da mãe e morreu. Nas páginas seguintes, ela descreve os acontecimentos posteriores, a mediocridade do ensino com suas técnicas antiquadas de avaliação, o comportamento dos colegas que eram, constantemente, avaliados pelo senso de realidade precocemente desenvolvido na jovem escritora.


     
     Abrigar-se em um sótão úmido para fugir da perseguição nazista é uma percepção demasiadamente simplista dos fatos para Anne Frank: a partir de junho de 1942, ela passa a se esconder em um misterioso Anexo Secreto, na companhia de uma curiosa família e de um excêntrico dentista, além dos gatos e de visitantes ocasionais, que lhe traziam infinito conforto ao toque de uma maçaneta. Assim, Anne descreve a rotina no Anexo tentando dissociar-se levemente dela ao analisar o espaço físico e os defeitos dos seus co-habitantes como se estivesse compondo um mosaico que, apenas em um cenário de extrema angústia, poderia se desenvolver. A Sra. van Daan e sua caricata impertinência, o Sr. van Daan com sua visão de mundo tão banal e restrita, o Sr. Dussel e o seu egoísmo destoante da solidariedade que a carência de recursos impunha eram, para Anne, tipificações da conduta humana que lhe rendiam piadas e ideias, esperança e desilusão com a realidade, pontos de encontro e de dispersão em meio aos seus pensamentos. 

     O verão passa, os barulhos no sótão pregam constantes sustos nos habitantes do Anexo, a comida míngua e a tensão no ar se torna cada vez mais insuportável, porém, Anne continua escrevendo, obstinadamente, em seu diário. As suas revelações contradizem qualquer pensamento raso que alguém possa formar a respeito da clausura e seus deslindes. No confinamento improvisado, todos ainda mostram suas virtudes e deslizes com a mesma frequência que acontecia quando respiravam em liberdade. Flertar com um homem casado, instigar intrigas e agir com indiferença e descaso são atitudes que fazem parte da rotina dos habitantes do Anexo, os quais eram obrigados a se manterem juntos por causa de um medo maior em comum. Enquanto os meses se arrastam, as circunstâncias no esconderijo impõem a todos crescentes dificuldades: não é possível repor roupas e objetos estragados, é preciso fazer silêncio durante quase todo o dia para que os funcionários do escritório abaixo do sótão não os ouçam, a comida escasseia a apodrece no depósito, a monotonia da rotina os faz repetir histórias e injuriar uns aos outros em uma vã tentativa de expressar, de uma só vez, toda a raiva represada depois daquele tempo interminável de desconforto e privação. É o momento em que Anne desenrola suas reflexões em vários feixes narrativos que vão uns ao encontro dos outros. Percebe o distanciamento emocional em relação à mãe, critica o restrito papel destinado à mulher no século XX, tenta desvendar as intrincadas relações familiares, recusa-se, terminantemente, a viver condicionada pelas escolhas alheias. Anne faz planos para o futuro, escreve contos e estuda imaginando uma vida que, em sua visão, já era tangível: dispunha de engenhosidade e talento, e o que ainda lhe faltava, seja lá o que fosse, seria trazido pela maturidade e experiências.


     
     Ouvir a BBC no rádio, contar florins, escrever cartas, desejar ter de volta o direito de andar de bonde são aspectos da vida de Anne que criam a ilusão de que as suas memórias se perderam no tempo. Qualquer distanciamento com a realidade, no entanto, é fatalmente quebrado por suas dúvidas a respeito da sexualidade, o nascimento da sua paixão inocente e confusa pelo filho do casal van Daan, Peter, seus sentimentos controversos em relação aos membros de sua família. Os sofrimentos descritos no diário de Anne são comuns a qualquer adolescente de sua idade ainda que o temor constante de perder a vida aliado aos sons intermitentes de bombas explodindo quase aos pés de seus ouvidos  tenham proporcionado o desenvolvimento de sua maturidade em um curto intervalo de tempo.

     Dizem que o maior sonho de um escritor é ser lido, observar suas palavras sendo descobertas e filtradas pelos pensamentos de um sem-número de pessoas, receber elogios e sentir que todo o seu esforço criativo foi, grandiosamente, recompensado. Ledo engano... Não há aspiração mais genuína para quem se dedica às letras do que romper as barreiras do tempo e do espaço impostos, impiedosamente, pela vida. Escrever para além da ordem cronológica, voando acima e abaixo das fronteiras entre a lógica e o bom senso, desafiando as vozes imperiosas de "pare", deixando frases impressas até mesmo no próprio olhar, se for esta a única forma restante para espalhar sua mensagem, eis o sonho máximo de um escritor que entrega a sua criatividade para ser motivo e fim das mais diversas ideias. Na última página do livro, alguém escreveu "o diário de Anne termina aqui", mas, eu me sinto no dever de corrigir: 

"Aqui inicia a carreira breve, porém, notável de uma das escritoras mais talentosas, sensíveis e brilhantes que já ousou desafiar o espaço que existe entre a continuidade da vida e a imortalidade da arte." 






COMENTE PELO BLOG!

2 comentários:

  1. para ser verdadeira, ainda não reli esse livro, pois quando o li era adolescente, mas a sua resenha está perfeita!
    Bravo!!!!!
    Vou relê-lo no final do ano, e obrigada pela lembrança importante!
    bjus e bom final de semana!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Elyane, eu que agradeço o seu comentário!!

      Depois da releitura, posta de novo sua percepção aqui! hehe

      Beijão!

      Eliminar

Páginação - Não altere este gadget!





© de tudo um pouco - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - DESENVOLVIDO POR Horion Agência Digital